A Historia da USE

 

Em 1940 o recenseamento oficial demonstrava a existência de 463.400 espíritas brasileiros, sendo que em São Paulo, esse número era de 155.037. Em 1945, a maioria dos espíritas trabalhava isoladamente e os centros espíritas não mantinham intercâmbio entre si. No Estado de São Paulo existiam a União Federativa Paulista, a Sinagoga Espírita Nova Jerusalém, a Federação Espírita do Estado de São Paulo 6 e a Liga Espírita do Estado de São Paulo. Em 5 de janeiro de 1946, Edgard Armond, acompanhado de alguns representantes da FEESP, reuniram-se com os representantes da Liga, da União e da Sinagoga, constituindo-se o Movimento de Unificação Espírita (MEU), posteriormente mudado para USE (União das Sociedades Espíritas).

 

Foi um ano exaustivo de contatos, visitas e de divulgação maciça de proposta unificacionista, mas no final, 512 Centros Espíritas aderiram à USE e o número de recenseados atingiu 47.785 espíritas. Em 1947, sob a coordenação de Herculano Pires, realizou-se a última sessão ordinária da Comissão Central da USE, para encerramento de suas atividades preparatórias para fundação oficial da USE, com a missão de disseminar as idéias da unificação e reunir as sociedades espíritas que se encontravam dispersas em todo o estado para então convocá-las para o Congresso em que se traçaria as bases estruturais da USE e a sua fundação.

 

Assim, o 1º Congresso Espírita do Estado de São Paulo realizou-se de 1 a 5 de junho de 1947, com a abertura realizada sob a presidência do Dr. Jônatas Otávio Fernandes, MM. Juiz da 5ª Vara Civel da Capital e, na presença de Edgard Armond, Carlos Jordão da Silva, Antenor Ramos, Antoni J. Trindade, Stoll Nogueira, Caetano Mero e Basílio Milano Neto. Além da presença de representantes da maioria das entidades adesas, personalidades importantes do movimento espírita nacional compareceram, assim como o Bispo da Igreja católica Apostólica Romana Dom Salomão Ferraz e sua comitiva.

 

Após análise de 34 teses recebidas, venceu a de Edgard Armond, representando a FEESP, que estabelecia a estrutura e funções do novo órgão unificacionista. O encerramento do 1º Congresso se deu no dia 5 de junho de 1947 no Ginásio do Pacaembu, com cerca de 5 mil pessoas, tendo a presença de autoridades diversas inclusive da Igreja Católica, representações das federações estaduais, imprensa leiga e espírita. No dia 14 de junho do mesmo ano o Conselho Deliberativo eleito no Congresso, votava a primeira Diretoria Executiva da então União Social Espírita, que mais tarde passou a denominar-se União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, mantendo a sigla USE.

 

Os anais do 1º Congresso da União Espírita do Estado de São Paulo em 1947, apontam a existência de 771.098 espíritas no Brasil e 733 sociedades espíritas organizadas. No ano de 2002, quando a USE completou 55 anos de existência, o Brasil contava cerca de 8 mil centros espíritas, dos quais quase 3 mil encontram-se no estado de São Paulo e, ainda segundo pesquisa realizada pela Datafolha há alguns anos atrás, 4% da população brasileira se declara espírita, o que representa um contingente de mais de 6 milhões de adeptos da Doutrina codificada por Allan Kardec.

 

Bibliografia:
Monteiro, Eduardo Carvalho / Natalino D’Olivo, USE 50 anos de Unificação, edições USE, 1997.
USE, Anais do 1º Congresso Espírita do Estado de São Paulo, de 1 a 5 de junho de 1.947.
Postado por: Martha Rios Guimarães

 

 

UME – UNIME – USE - JAÚ

Em junho de 1.947 é fundada durante o 1º Congresso Espírita Estadual a USE – União das Sociedades Espíritas e em seguida em agosto de 1.947 surge em Jaú a UME – União Municipal Espírita de Jaú, que inicialmente integrava 04 centros espíritas da cidade, Verdade e Luz, Amor e Caridade, Antonio de Paula e Thereza de Jesus. Essa união se dava para proporcionar maior força ao espiritismo, além do maior zelo pela boa difusão e correta prática da doutrina no município.

 

O Centro Espírita Verdade e Luz sempre foi a sede da UME e agora da USE. Fundado em Setembro de 1.909, com a denominação “Associação Espírita Verdade e Luz”, que fica caracterizada como um dos primeiros Centros Espíritas registrados no Brasil e que mantém suas atividades de forma ininterruptas, sem nunca ter parado um momento sequer. O prédio da Rua General Izidoro, 453 foi alugado por Caetano Lourenço de Camargo e posteriormente comprado por Braz Miraglia. O local era utilizado anteriormente para alfabetização de adultos e logo foi adaptado para as atividades espíritas.

 

Os jovens espíritas tiveram importância fundamental numa das principais conquistas do Centro Espírita Verdade e Luz, a criação do Orfanato Nosso Lar, que teve também o apoio da UME e assim surgiu a Associação das Senhoras Cristãs, principalmente de Rosa Maciel Fagnani, espírita que ministrava aulas às crianças no Centro Espírita e sempre teve o sonho de auxiliar os menores abandonados. Como fundadora, foi a primeira presidente.

 

Em 1.952 e 1.953 a UME, realiza respectivamente a 1ª e 2ª Semana Espírita de Jaú e foi uma grande manifestação cultural e artística do movimento espírita jauense com debates, estudos e muita divulgação.

 

Encontramos o Livro de Atas de 1.955, onde a ata de nº 28 registra a presença de Álvaro Machado Viegas de Campos, Júlio de Mattos, Gabino Gomes de Azevedo, Rosa Maciel Fagnani, Francisco Ortigoza e Gumercindo Garcia Floret.

 

 

HOSPITAL THEREZA PERLATTI – FUNDAÇÃO 1.957

Encontramos nos arquivos do Jornal “O Comércio do Jahu” edição do dia 10/12/1957 a publicação da eleição da Diretoria que deu início à Associação Hospitalar Thereza Perlatti, informando que dentre outros personagens ilustres, encontramos os nomes de Júlio de Matos, Gumercindo Garcia Floret, Edion Fagnani, Francisco Ortigosa, Luiz Maniero, Edgar de Souza Marques e Domingos Priori.

 

A instituição persiste ao longo do tempo, passando por momentos difíceis em diversas oportunidades, mas ainda se encontra ativa com boas perspectivas de futuro, dirigida pela comunidade espírita local que trabalha para superar as dificuldades adversas às quais os hospitais psiquiátricos enfrentam.

 

 

FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA

A união dos espíritas jauenses possibilitou a execução de várias Feiras do Livro Espírita, com trabalhadores das diversas casas, em 1.983 é realizada a primeira na Praça Siqueira Campos.

 

Atualmente as Feiras são realizadas no Jaú Shopping Center, a edição de número 37 aconteceu em dezembro de 2016.

 

Em 12 de agosto de 1.989 é inaugurada a Banca do Livro Espírita que teve em Édion Fagnani um trabalhador admirável, por isso hoje ela leva o seu nome.

 

 

REFORMA DA PRAÇA SIQUEIRA CAMPOS E AQUISIÇÃO DA NOVA BANCA - 2012

Foram quase 17 anos de presença firme e determinada na praça. Todos o conheciam e muitos comentam até hoje sobre sua determinação para que a tradicional Banca do Livro Espírita permanecesse aberta diariamente.

 

“Seu Fanhani”, foi o responsável direto, com sua dedicação e perseverança, para o funcionamento da Banca desde de 1.989 até 2005.

 

Um ser humano extremamente honesto, dedicado e responsável em todos os aspectos que deixa exemplos de trabalho em prol da causa do bem mostrando a todos nós que temos que aproveitar ao máximo essa nossa encarnação.

 

Estava sempre presente nas costumeiras reuniões da antiga UNIME (União Intermunicipal Espírita), atualmente USE (União das Sociedades Espíritas), sempre de posse das informações do movimento mensal da Banca. Falava sobre estoque de livros, venda mensal, solicitava voluntários, argumentava sobre o funcionamento, falava de suas dificuldades, mas estava sempre presente.

 

 

EMJER – ENCONTRO DAS MOCIDADES E JUVENTUDES ESPÍRITAS DA REGIONAL DE JAÚ.

Em 1.974 é criado o EMJER, realizado em diversas cidades da região após 15 anos em 1.989 chega a sua 50ª edição, já em 2009 se comemorou os 35 anos desse encontro com a 75ª edição.

 

Em 2014 realizou-se a 79ª edição em Jaú na comemoração dos 40 anos do encontro.